Pular para o conteúdo principal

ANGEOLOGIA : ANJOS "SÃO EXPRESSÕES DE DEUS"













ANJOS: "SÃO EXPRESSÕES DE DEUS"

Luis Pellegrini, em seu artigo O Retorno dos Anjos:
Alguém perguntou-me, numa livraria, justamente quando eu procurava obras sobre anjos: -Você acredita em anjos?
"Acredito numa força angélica que existe nas pessoas e no mundo. Uma força para o bem, positiva, criativa. Da mesma forma que acredito em outra força igual e contrária, voltada para o mal, negativa e destrutiva, que nas pessoas no mundo" - "Anjos são forças, como nós, por isso podemos nos comunicar, usando o pensamento".

O médico  Eduardo Cunha Faria, estudioso do tema fala:
"Os anjos existem e estão mais próximos  da humanidade do que se supõe. São presenças vivas que comandam forças que interagem no universo, são incontáveis faces ou expressões de Deus em todos os aspectos do cosmo e, como tal são referidos como emissários ou ministros da criação divina" - " As funções dos espíritos angélicos, são a canalização, a retransmissão, o condicionamento e a distribuição da energia divina. " 
Qualquer pessoa, segundo Faria, pode entrar em sintonia com os anjos, mas para estabelecer esses contatos (chamados angelofanias), é preciso aprender a conhecer sua linguagem e ouvir os seus sinais, eles conversam através de sonhos, intuições, supostas coincidências. Basta sensibilidade para canalisar-se com seres angélicos.
Fonte: Revista Planeta nº 262

NA BÍBLIA:
Criação dos Anjos:
  • Anjos não são uma raça, mas uma hoste (exército).
  • Eles são filhos de Deus (Jó 1:6), e não de outros anjos.
  • Foram criados num determinado momento, antes da criação do mundo físico (Jó 38:6,7).
  • Os anjos foram criados num estado de santidade (Judas 1:6).
  • Eles são inumeráveis (Heb 12:22).
Personalidade dos anjos (cada anjo é uma pessoa)
  • Intelecto (1Pe 1:12).
  • Emoções (Luc 2:13).
  • Arbítrio (resolução dependente da vontade) (Judas 1:6) -- capazes de deixarem o seu primeiro estado.
Natureza dos anjos:
  • São seres espirituais (Heb 1:14).
  • Não se reproduzem (Mar 12:25).
  • São masculinos exceto em Zac 5:9 (gênero feminino usado duas vezes).
  • Não morrem (Luc 20:36).
  • São distintos dos seres humanos (Sal 8:4,5). --Não são os espíritos dos mortos.
  • Possuem grande poder (2Pe 2:11).
Fonte: Humberto Rafeiro

Anjo:

Anjo (do latim angelus e do grego ággelos, mensageiro), segundo a tradição judaico-cristã, é uma criatura celestial - que, na generalidade, a maioria dos crentes das religiões fundadas na revelação bíblica acredita ser superior aos homens - que serve como ajudante ou mensageiro de Deus. Na iconografia comum, os anjos geralmente têm asas brancas de pássaro e uma auréola. São donos de uma beleza delicada e de um forte brilho, por serem constituídos de energia, e por vezes são representados como uma criança, por terem inocência e virtude. Possuem influência sobre todo o plano orgânico e elemental, sendo assim eles têm como uma de suas missões, ajudar a humanidade em seu processo de evolução.
Segundo a Tradição Católica, são citados apenas três Arcanjos dos quais se saberia o nome: São Miguel (Quem como Deus), São Rafael (Deus Cura), e São Gabriel (Enviado de Deus). Os demais seriam invenção do povo, bem ou mal intencionado.

Afirma ainda que os Anjos não possuem maneiras de conhecer o futuro, possuindo sim uma inteligência muito mais desenvolvida que a nossa, podendo "prever" eventos que fisicamente poderão acontecer, visto que conhecem com precisão todas as regras físicas, como gravidade, densidade, velocidade etc.

Dentro do Cristianismo Esotérico e da Cabala, são chamados de "anjos" os espíritos num grau de evolução imediatamente superior ao do homem e imediatamente inferior ao dos arcanjos.

As hierarquias angélicas no Cristianismo: 

No Cristianismo os anjos foram estudados de acordo com diversos sistemas de classificação em coros ou hierarquias angélicas. A mais influente de tais classificações foi estabelecida pelo Pseudo-Dionísio, o Areopagita entre os séculos IV e V, em seu livro De Coelesti Hierarchia.

Dionísio foi um dos primeiros a propor um sistema organizado do estudo dos anjos e seus escritos tiveram muita influência, mas foi precedido por outros escritores, como São Clemente, Santo Ambrósio e São Jerônimo. Na Idade Média surgiram muitos outros esquemas, alguns baseados no do Areopagita, outros independentes, sugerindo uma hierarquia bastante diferente. Alguns autores acreditavam que apenas os anjos de classes inferiores interferiam nos assuntos humanos.

No Cristianismo a fonte primária ao estudo dos anjos são as citações bíblicas, embora sejam apenas sugestões ambíguas para a construção de um sistema como ele se desenvolveu em tempos posteriores. Os anjos aparecem em vários momentos da história narrada na Bíblia, como quando três anjos apareceram a Abraão. Isaías fala de serafins; outro anjo acompanhou Tobias; a Virgem Maria recebeu uma visita angélica na anunciação do futuro nascimento de Cristo, e o próprio Jesus fala deles em vários momentos, como quando sofreu a tentação no deserto e na cena do horto das oliveiras, quando um anjo lhe ofereceu o cálice da Paixão. São Paulo faz alusão a cinco ordens de anjos.

Tradições esotéricas cristãs também foram invocadas para se organizar um quadro mais exato. As classificações propostas na Idade Média são as seguintes:

São Clemente, em Constituições Apostólicas, século I:
1. Serafins, 2. Querubins, 3. Éons, 4. Hostes, 5. Potestades, 6. Autoridades, 7. Principados, 8. Tronos, 9. Arcanjos, 10. Anjos, 11. Dominações.

Santo Ambrósio, em Apologia do Profeta David, século IV:
1. Serafins, 2. Querubins, 3. Dominações, 4. Tronos, 5. Principados, 6. Potestades, 7. Virtudes, 8. Anjos, 9. Arcanjos.

São Jerônimo, século IV:
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Potestades, 4. Dominações, 5. Tronos, 6. Arcanjos, 7. Anjos.

Pseudo-Dionísio, o Areopagita, em De Coelesti Hierarchia, c. século V:
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Principados, 8. Arcanjos, 9. Anjos.

São Gregório Magno, em Homilia, século VI:
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Principados, 6. Potestades, 7. Virtudes, 8. Arcanjos, 9. Anjos.

Santo Isidoro de Sevilha, em Etymologiae, século VII:
1.       Serafins, 2. Querubins, 3. Potestades, 4. Principados, 5. Virtudes, 6. Dominações, 7. Tronos, 8. Arcanjos, 9. Anjos.

João de Damasco, em De Fide Orthodoxa, século VIII:
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Potestades, 6. Autoridades (Virtudes), 7. Governantes (Principados), 8. Arcanjos, 9. Anjos.

São Tomás de Aquino, em Summa Theologica, (1225-1274):
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Principados, 8. Arcanjos, 9. Anjos.

Dante Alighieri, na Divina Comédia (1308-1321):
  1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Arcanjos, 8. Principados, 9. Anjos.

De todas estas ordenações a mais corrente, derivada do Pseudo-Dionísio e de
Tomás de Aquino, divide os anjos em nove coros, agrupados em três trìades:

Primeira Tríade:
A 1ª Ordem é composta pelos anjos mais próximos de Deus, que desempenham suas funções diante do Pai.

Serafins:
Um Serafim é, segundo a Angelologia, um anjo de seis asas.

É comumente aceito como a primeira posição na hierarquia celestial dos anjos, sendo os que estão mais próximos de Deus. A palavra hebraica Saraf (שרף) significa "queimar" ou "incendiar", talvez uma alusão a tradições bíblicas onde Deus é comparado a um "fogo" ou mesmo a um "fogo consumidor". A referência bíblica para "serafim" está em Isaías 6:1-2.

Serafins rodeando o trono de Deus, em iluminura das Petites Heures de Jean de Berry século XIV
Criatura fantástica do tipo dos kerabu, proveniente de KhorsabadO nome serafim vem do hebreu saraf (שרף), e do grego, séraph, que significam "abrasar, queimar, consumir". Também foram chamados de ardentes ou de serpentes de fogo.

É a ordem mais elevada da esfera mais alta. São os anjos mais próximos de Deus e emanam a essência divina em mais alto grau. Assistem ante o Trono de Deus e é seu privilégio estar unido a Deus de maneira mais íntima. Mantém a ordem do cosmo e são descritos em Isaías como cantando perpetuamente o louvor de Deus e tendo seis asas.

O Pseudo-Dionísio diz que sua natureza ígnea espelha a exuberância de sua atividade perpétua e infatigável, e sua capacidade de inflamar os anjos inferiores no cumprimento dos desígnios divinos, purificando-os com seu fogo e iluminando suas inteligências, destruindo toda sombra. Pico della Mirandola fala deles em sua Oração sobre a Dignidade do Homem (1487) como incandescentes do fogo da caridade, e modelos da mais alta aspiração humana.

Querubins:
Querubim (do Hebraico כרוב - "keruv" ou do plural כרובים - keruvim) é uma criatura sobrenatural, espiritual, mencionada várias vezes no Tanach (ou o Antigo Testamento), em livros apócrifos e em muitos escritos judaicos.

Em uma das interpretações, os querubins seriam anjos em segundo lugar na hierarquia celeste, logo abaixo dos Serafins.

Do hebreu כרוב - keruv, ou do plural כרובים - keruvim, os querubins são seres misteriosos, descritos tanto no Cristianismo como em tradições mais antigas às vezes mostrando formas híbridas de homem e animal. Os povos da Mesopotâmia tinham o nome karabu e suas variantes para denominar seres fantásticos com forma de touro alado de face humana, e a palavra significa em algumas daquelas línguas "poderoso", noutras "abençoado".

No Gênesis aparece um querubim como guardião do Jardim do Éden, expulsando Adão e Eva após o pecado original. Ezequiel os descreve como guardiãos do trono de Deus e diz que o ruflar de suas asas enchia todo o templo da divindade e se parecia com som de vozes humanas; a cada um estava ligada uma roda, e se moviam em todas as direções sem se voltar, pois possuíam quatro faces: leão, touro, águia e homem, e eram inteiramente cobertos de olhos, significando a sua onisciência. Mas as imagens querubins que Moisés colocou sobre a Arca da Aliança tinham forma humana, embora com asas.

São Jerônimo e Santo Agostinho interpretam seu nome como "plenitude de sabedoria e ciência". A partir do Renascimento passaram a ser representados muitas vezes como crianças pequenas dotadas de asas, chamados putti (meninos) em italiano.

Têm o poder de conhecer e contemplar a Deus, e serem receptivos ao mais alto dom da luz e da verdade, à beleza e à sabedoria divinas em sua primeira manifestação. Estão cheio do amor divino e o derramam sobre os níveis abaixo deles.

Tronos ou Ofanins:
Os Tronos têm seu nome derivado do grego thronos, que significa "anciãos". São chamados também de erelins ou ofanins, ou algumas vezes de Sedes Dei (Trono de Deus), e são identificados com os 24 anciãos que perpetuamente se prostram diante de Deus e a Seus pés lançam suas coroas. São os símbolos da autoridade divina e da humildade, e da perfeita pureza, livre de toda contaminação.

Tradições esotéricas cristãs os identificam com os Senhores da Chama da Teosofia ou os Elohim na escola Rosacruz, elevados espíritos que trabalham para o desenvolvimento e iluminação da mente humana, agindo como guardiãos da humanidade.

Segunda Tríade:
A 2ª Ordem é composta pelos Príncipes da Corte celestial, que operam junto aos governos gerais do universo.

Dominações:
As Dominações ou Domínios (do latim dominationes) têm a função de regular as atividades dos anjos inferiores, distribuem aos outros anjos as funções e seus mistérios, e presidem os destinos das nações. Crê-se que as Dominações possuam uma forma humana alada de beleza inefável, e são descritos portando orbes de luz e cetros indicativos de seu poder de governo. Sua liderança também é afirmada na tradução do termo grego kuriotes, que significa "senhor", aplicado a esta classe de seres.

São anjos que auxiliam nas emergências ou conflitos que devem ser resolvidos logo. Também atuam como elementos de integração entre os mundos materiais e espirituais, embora raramente entrem em contato com as pessoas.
  
Virtudes:
As Virtudes são os responsáveis pela manutenção do curso dos astros para que a ordem do universo seja preservada. Seu nome está associado ao grego dunamis, significando "poder" ou "força", e traduzido como "virtudes" em Efésios 1:21, e seus atributos são a pureza e a fortaleza. O Pseudo-Dionísio diz que eles possuem uma virilidade e poder inabaláveis, buscando sempre espelhar-se na fonte de todas as virtudes e as transmitindo aos seus inferiores.

Orientam as pessoas sobre sua missão. São encarregados de eliminar os obstáculos que se opões ao cumprimento das ordens de Deus, afastando os anjos maus que assediam as nações para desviá-las de seu fim, e mantendo assim as criaturas e a ordem da Divina providência. Eles são particularmente importantes porque têm a capacidade de transmitir grande quantidade de energia divina. Imersas na força de Deus, as Virtudes derramam bênçãos do alto, freqüentemente na forma de milagres. São sempre associados com os heróis e aqueles que lutam em nome de Deus e da verdade. São chamados quando se necessita de coragem.

Potestades:
As Potestades ou Potências são também chamados de "condutores da ordem sagrada". Executam as grandes ações que tocam no governo universal. Eles são os portadores da consciência de toda a humanidade, os encarregados da sua história e de sua memória coletiva, estando relacionados com o pensamento superior - ideais, ética, religião e filosofia, além da política em seu sentido abstrato.

Também são descritos como anjos guerreiros completamente fiéis a Deus. Seus atributos de organizadores e agentes do intelecto iluminado são enfatizados pelo Pseudo-Dionísio, e acrescenta que sua autoridade é baseada no espelhamento da ordem divina e não na tirania. Eles têm a capacidade de absorver e armazenar e transmitir o poder do plano divino, donde seus nome [18].

Os anjos do nascimento e da morte pertencem a essa categoria. São também os guardiões dos animais.
  
Terceira Tríade:
A 3ª Ordem é composta pelos anjos ministrantes, que são encarregados dos caminhos das nações e dos homens e estão mais intimamente ligados ao mundo material.

Principados:
Guido Reni: São Miguel, 1636
Fra Angelico; AnunciaçãoOs Principados, do latim principatus, são os anjos encarregados de receber as ordens das Dominações e Potestades e transmití-las aos reinos inferiores, e sua posição é representada simbolicamente pela coroa e cetro que usam. Guardam as cidades e os países. Protegem também a fauna e a flora. Como seu nome indica, estão revestidos de uma autoridade especial: são os que presidem os reinos, as províncias, e as dioceses, e velam pelo cultivo de sementes boas no campo das ideologias, da arte e da ciência.

Arcanjos:
O nome de arcanjo vem do grego αρχάγγελος, arkangélos, que significa "anjo principal" ou "chefe", pela combinação de archō, o primeiro ou principal governante, e άγγελος, aggělǒs, que quer dizer "mensageiro". Este título é mencionado no Novo Testamento por duas vezes e a esta ordem pertencem os únicos anjos cujos nomes são conhecidos através da Bíblia: Miguel, Rafael e Gabriel. Miguel é especificamente citado como "O" arcanjo ], ao passo que, embora se presuma pela tradição que Gabriel também seja um arcanjo, não há referências sólidas a respeito. Rafael descreve a si mesmo como um dos sete que estão diante do Senhor, classe de seres mencionada também no Apocalipse .

Considerado canônico somente pela Igreja Ortodoxa da Etiópia, o Livro de Enoque fala de mais quatro arcanjos, Uriel, Ituriel, Amitiel e Baliel, responsáveis pela vigilância universal durante o perído dos Nefilim, os "anjos caídos". Contudo em fontes apócrifas estes são por vezes ditos como querubins. A igreja Ortodoxa faz de Uriel um arcanjo e o festeja com Rafael, Gabriel e Miguel na Synaxis de Miguel e os outros Poderes Incorpóreos, em 21 de novembro.

Seu caráter de mensageiros, ouPosted by Thoth3126 on 22/02/2016 intermediários, é assinalada pelo seu papel de elo de ligação entre os Principados e os Anjos, interpretando e iluminando as ordens superiores para seus subordinados, além de inspirar misticamente as mentes e corações humanos para execução de atos de acordo com a vontade divina. Atuam assim como arautos dos desígnios divinos, tanto para os Anjos como para os homens, como foi no caso de Gabriel na Anunciação a Maria.
A cultura popular faz deles protetores dos bons relacionamentos, da sabedoria e dos estudos, e guerreiros contra as ações do Maligno.

Anjos:
Os anjos são seres angélicos mais próximos do reino humano, o último degrau da hierarquia angélica acima descrita e pertencentes à sua terceira tríade. São figuras importantes em muitas outras tradições religiosas do passado e do presente, e o nome de "anjo" é dado amiúde indistintamente a todas as classes de seres celestes. Os muçulmanos, zoroastrianos, hindus e budistas todos aceitam como fato sua existência, sob variados nomes, mas com descrições e atributos semelhantes.

A tradição hebraica, de onde nasceu a Bíblia, está cheia de alusões a seres celestiais identificados como anjos, e que ocasionalmente aparecem aos seres humanos trazendo ordens divinas. São citados em vários textos místicos judeus, especialmente nos ligados à tradição Merkabah.
Na Bíblia são chamados de מלאך אלהים (mensageiros de Deus), מלאך יהוה (mensageiros do Senhor), בני אלוהים (filhos de Deus) e הקדושים (santos).
São dotados de vários poderes supernaturais, como o de se tornarem visíveis e invisíveis à vontade, voar, operar milagres diversos e consumir sacrifícios com seu toque de fogo. Feitos de luz e fogo  sua aparição é imediatamente reconhecida como de origem divina também por sua extraordinária beleza.

No Budismo e Hinduísmo:
O Budismo e o Hinduísmo descrevem os anjos, ou DEVAS, como os chamam, de maneira semelhante às outras religiões ocidentais. Seu nome deriva da raiz sânscrita DIV, que significa "brilhar", e seu nome significa, então, os "seres brilhantes" ou "autoluminosos". Dizem que alguns deles comem e bebem, e podem construir formas ilusórias para poderem se manifestar em planos de existência diferentes dos seus próprios. O Budismo estabelece uma categorização bastante completa para os seus devas, em grande parte herdada da tradição Hinduísta.

No Islamismo:
Sultão Muhammad: A Mi'raj, ou Ascensão de Maomé, rodeado de anjos. Iluminura, c. 1650A angelologia islâmica é largamente devedora às tradições dos Zoroastrianismo, do Judaísmo e do Cristianismo primitivo, e divide os anjos em dois partidos principais, os bons, fiéis a Deus, e os maus, cujo chefe é Iblis ou Ash-Shaytan, privados da graça divina por terem se recusado a prestar homenagens a Adão
Por outro lado, existe também no Islamismo uma categorização hierárquica. Em primeiro lugar estão os quatro Tronos de Deus, com formas de leão, touro, águia e homem. Em seqüência, vêm o querubim, e logo os quatro arcanjos: Jibril ou Jabra'il, o revelador, intermediário entre Deus e os profetas e constante auxiliador de Maomé; Mikal ou Mika'il, o provedor, citado apenas uma vez no Corão (2:98) e quem, segundo a tradição, ficou tão horrorizado com a visão do inferno quando este foi criado que jamais pôde falar de novo; Izrail, o anjo da morte, uma criatura espantosa de dimensões cósmicas, quatro mil asas e um corpo formado de tantos olhos e línguas quantas são as pessoas da Terra, que se posta com um pé no sétimo céu e outro no limite entre o paraíso e o inferno; e Israfil, o anjo do julgamento, aquele que tocará a trombeta no Juízo Final; tem um corpo cheio de pelos e feitos de inumeráveis línguas e bocas, quatro asas e uma estatura que vai desde o trono de Deus até o sétimo céu. Por fim, os demais anjos. Como uma classe à parte estão os gênios, ou djins, que possuem muitas características humanas, como a capacidade de se alimentar, propagar a espécie, e morrer, e cujo caráter é ambíguo.

Os anjos no Espiritismo:
Para o Espiritismo, doutrina que tem o Cristianismo por base e foi iniciada no século XIX por Allan Kardec, os anjos seriam os espíritos desencarnados que se comunicam com os vivos, encarnados [30]. Seriam, portanto, aqueles que trazem mensagens do mundo incorpóreo. Por este motivo seriam chamados de anjos, palavra que significa mensageiros, os quais aparecem inúmeras vezes nos textos sagrados de religiões judaico-cristãs, indicando a comunicabilidade entre vivos e mortos. Ainda segundo o Espiritismo, os anjos, em sua concepção mais comumente conhecida e aceita - criaturas perfeitas, a serviço direto de Deus - seriam os espíritos que já alcançaram a perfeição passível de ser alcançada pelas criaturas. Estes, ao fazê-lo, passariam a dedicar a sua existência a fazer cumprir a vontade de Deus na Criação, por serem capazes de compreendê-la completamente.
  
Na Teosofia
Anatomia esquemática do anjo patrono do santuário de Borobudur, Java, segundo indicações do teosofista Geoffrey Hodson em seu livro O Reino dos Deuses. Sua forma é na verdade esférica, com feixes de luz irradiante, e aqui se mostra em corte. Os círculos regulares concêntricos de sua aura indicam sua avançada evolução. Muitos detalhes foram omitidosA Teosofia admite a existência dos seres angélicos, e várias classes dentre eles, embora existam relativamente poucos estudos neste campo que as sistematizem profundamente, dos quais os de Charles Leadbeater e sobretudo Geoffrey Hodson são as fontes mais ricas e interessantes.

Charles Leadbeater diz que, sendo um dos muitos reinos da criação divina, o reino angélico também está, como os outros, sujeito à evolução, e que existem grandes diferenças em poder, sabedoria, amor e inteligência entre seus integrantes. Pelo mesmo motivo, o de constituírem um reino independente, com interesses e metas próprias, diz que os anjos não existem mormente em função dos homens e seus problemas, como reza a cultura popular, apesar de assistí-los de uma variedade imensa de formas, como por exemplo na ministração dos sacramentos das igrejas, na cura espiritual e corporal dos seres humanos, e na sua inspiração, encorajamento, proteção e instrução. [31].

Os anjos são descritos por Hodson como tendo uma atitude em relação a Deus completamente diversa da humana, não concebendo uma existência personalizada individual, mas sim uma consciência única central e ao mesmo tempo difusa e onipresente, de onde suas próprias consciências derivam e à qual estão inextrincavelmente ligadas. Sentem-se unidos a esta consciência e para eles não é possível, exatamente por esta unidade, experimentarem egoísmo, separatividade, desejo, possessividade, ódio, medo, revolta ou amargura. Apesar de serem essencialmente seres amorosos, seu amor é impessoal, sendo extremamente raras associações estreitas com quaisquer indivíduos. Em seu estudo Hodson os divide em quatro tipos principais, associadas aos quatro elementos da filosofia antiga: terra, água, fogo e ar.
Hodson faz também uma associação dos anjos com a Árvore Sefirotal, derivada da tradição Cabalística, definindo dez ordens. Afirma que um dos aspectos do Logos é de natureza angélica e acrescenta que ao reino angélico pertencem os chamados espíritos da natureza. Muitos destas classes estão envolvidos em processos naturais básicos como a formação celular e cristalização mineral, sendo por isso de dimensões microscópicas. Outros, já maiores, são os silfos, as salamandras, as fadas, dríades, ondinas e os variados espíritos da natureza conhecidos desde a antigüidade em várias culturas, constituindo os primeiros degraus da sua longa evolução em direção aos anjos planetários e formas ainda mais grandiosas como os grandes arcanjos solares, de estatura verdadeiramente colossal, a ponto de poderem ser percebidos de pontos próximos à extremidade externa do sistema solar. Suas descrições dão uma vívida idéia da importância destes seres na manutenção da ordem cósmica e na manifestação do universo desde sua origem insondável até as formas físicas, passando por todos os degraus intermédios. Em seu livro O Reino dos Deuses oferece uma série de ilustrações do aspecto dos vários tipos de anjos, diferindo radicalmente das tradicionais representações angélicas da cultura ocidental, e diz que apesar disso ambos, anjo e homem, derivam suas formas de um mesmo arquétipo [32] [33][34].


Na Astrologia
Algumas tradições astrológicas atribuem nomes para os anjos "embaixadores" dos planetas na Terra, responsáveis pela influência desses planetas na vida do homem. São eles:

Miguel: é o embaixador do Sol
Gabriel: é o embaixador da Lua
Rafael: é o embaixador de Mercúrio
Anael: é o embaixador de Vênus
Samael: é o embaixador de Marte
Saquiel ou Zacariel: é o embaixador de Júpiter
Cassiel ou Orifiel: é o embaixador de Saturno
Os anjos embaixadores de Urano, Netuno e de planetas-anões como Plutão e Éris geralmente não são mencionados por não serem planetas conhecidos desde a antigüidade. Alguns astrólogos propuseram o nome Ituriel para o anjo embaixador de Urano.
Anjos especiais
 Bernhard Plockhorst: Anjo da guarda


De entre os anjos da tradição cristã está o tipo do anjo da guarda, chamado fravashi pelos seguidores de Zoroastro, e ao anjo da guarda, como o nome diz, é confiada individualmente cada pessoa ao nascer, protegendo-a do mal até onde a ordem divina o permita, fortalecendo corpo e alma e inspirando-a à prática das boas ações.


O Anjo do Senhor
Na Bíblia, sobretudo no Antigo Testamento há várias menções à aparição do Anjo do Senhor. A expressão "Anjo do Senhor" causa curiosidade por tratar-se não apenas de mais um anjo e sim de um anjo específico, considerando a antecedência do artigo definido o.

De acordo com algumas posições teológicas, o Anjo do Senhor que fez vários contatos com personagens bíblicos, entre os quais Abraão, Hagar, Gideão, sendo aparições do próprio Deus e constituindo, portanto, uma espécie de teofania ou até mesmo uma cristofania.

Também é conhecido como o Anjo da Presença, embora este termo tenha em certas filosofias um significado bem específico. O Anjo da Presença, segundo o pensamento gnóstico e cristão esotérico, não é um ser com vida própria, mas sim uma forma-pensamento que representa Cristo durante o sacramento da Eucaristia e é um veículo da Sua consciência e das Suas bênçãos.

Visão Espírita:
Segundo a visão espírita, os chamados "anjos da guarda" pelo Catolicismo correspondem aos espíritos guias, amparadores que cada um de nós possui. Espíritos evoluídos ou resgatando dívidas, ao cuidar de outro espirito encarnado.

NOME
DESCRIÇÃO
AKATRIEL 
Anjo que revela os mistérios Divinos.
ANAEL 
Anjo do Amor e Chefe dos Principados e dos Virtudes.
ANAFIEL 
Chefe dos Querubins da Merkabah (Carruagem Divina), Há seis classes de Anjos da Merkabah, que são guardiões do Trono de Deus.
ANGELOLOGIA
 é o mesmo que angeologia.
ANGEOLOGIA
 é o estudo dos anjos, também conhecida como angiologia e angelologia.
ANGEOLOGO (A)
 quem estuda os anjos.
ANJO DA CARIDADE
o que protege a pobreza.
ANJO DA GUARDA
 o que vela pela pessoa.
ARIEL
significa “Leão de Deus”.
AZBUGAH 
Um dos Oito Grandes Anjos do Trono de Deus. É ele que reveste de rectidão as almas eleitas à sua chegada ao Céu.
BARAKIEL ou BARAIEL
 Chefe do Coro dos Serafins e Regente do mês de Fevereiro.
CHAYYIEL 
Príncipe regente dos Serafins.
CUPIDO
Deus do amor, entidade da mitologia romana, também conhecido como Eros, Deus grego do amor que é filho de Poros e Pênia, gerado no dia de nascimento de Afrodite (Vênus).
DANIEL
significa “Juízo de Deus”.
FANUEL ou RAQUIEL
 Arcanjo do Castigo e Príncipe da Divina Presença.
GABRIEL
 Anjo da Anunciação, da justiça e da misericórdia.
GABRIEL
 significa “Força de Deus”. Arcanjo que anunciou a chegada de Cristo.
GALGALIEL 
Anjo principal da roda do Sol e um dos Anjos principais da Merkabah.
IRIN 
Anjos gémeos que, com os Qaddisin, formam o Conselho Supremo da Corte Celestial. São a Corte Suprema de Deus e o seu juízo é PERFEITO
JEHOEL 
Anjo intermediário entre Deus e os seres Humanos.
JOPHIEL
Beleza de Deus. Jophiel e os anjos da iluminação nos colocam em contato direto com a mente de Deus. Eles nos dão as grandes inspirações e também revelações que mudam nossa vida. O principal objetivo do Arcanjo Jophiel e dos anjos da iluminação é nos libertar da ignorância, da duvida e do medo.
KAMAEL
 fogo de Deus ou auxilio e a força de Deus.
MEHIEL
 Deus vivificador.
METRATON
Conselheiro do Céu e Príncipe dos Sete arcanjos.
MIGUEL 
significa “Quem é como Deus?”. Arcanjo chefe dos exércitos celestiais, que lutou contra o diabo.
MIGUEL 
Anjo Principal do Senhor. Ele é como Deus.
MIKAEL
(São Miguel Arcanjo) Coro dos Arcanjos.
POIEL
Mensageiro do Desejo. Ele controla as atitudes, os pensamentos e as boas energias. Favorecem a aquisição de fortuna, o prestígio e a propagação das grandes filosofias. Poiel ajuda o homem a superar os obstáculos que estão à sua frente.
QADDISIN
 Anjos gémeos que regem a Corte Celestial em conjunto com os Iin. Esses quatro Anjos são os mais poderosos dos Sete Céus.
RADURIEL ou VRETIL 
Anjo escrivão que escreve num "grande livro" tudo  o que acontece no Universo. Também é o Chefe dos Coros Celestiais e o criador dos Anjos menores.
RAFAEL
Anjo da Saúde e da Sabedoria. Regente do Sol. Significa: "Deus curou" . Rafael é o guardião do nosso corpo físico e da nossa saúde. Ele é conhecido como o Arcanjo da ciência, do conhecimento e da cura. O domínio de Rafael é a casa do conhecimento e da transformação. Ele cura trabalhando a favor da saúde global ou pessoal em qualquer nível. A sua função é manter o equilíbrio de todas as coisas, inclusive dos quatro elementos (Ar, Fogo, Água e Terra).
RAPHAEL
 significa “Cura de Deus”. Acompanhou Tobias em sua viagem como seu anjo da guarda.
RAZIEL 
Arauto de Deus e Instrutor de Adão e da Humanidade
RIKBIEL 
Um dos Príncipes Regentes da Merkabah.
SAMAEL ou CAMAEL 
Anjo da Justiça Divina e Chefe das Potestades
SAMUEL
significa “Ouvido por Deus”.
SANDALFOM
 Irmão Gémeo de Metraton e Anjo Regente da Terra.
SHEMUIL 
Anjo intermediário entre as preces de Israel e os Sete Grandes Arcanjos.
SOFERIEL MEHAYYE
 Em conjunto com Soferiel Memeth guarda o Livro da Vida e da Morte e é também um dos Anjos regente da Merkabah.
SOFERIEL MEMETH 
Trabalha em conjunto com Soferiel Mehayye.
SOQED HOZI 
Anjo que guarda a Balança Divina e as Costas do Senhor. É outro dos Anjos principais da Merkabah.
SURIEL 
Anjo instrutor de Moisés e um dos Anjos da Boa Morte.
URIEL
significa “Fogo de Deus”. Considerado o anjo do arrependimento.. Arcanjo Uriel, juntamente com os anjos da paz, nos traz tranqüilidade de espirito, dissolução das mágoas e do medo em nossos corações. Perpetua a renovação da esperança. Ele não é citado na Bíblia, mas aparece em outros textos judaicos e cristãos. Governa as assuntos ligados à magia e promove as mudanças súbitas e positivas na vida do homem.
YEFEFIAH ou DINA 
Anjo que instruiu Moisés nos mistérios da Cabala e um dos Anjos da Torah.
ZADKIEL ou TZADKIEL
 Anjo de Júpiter e da Abundância.
ZAGZAGEL 
Anjo da Sabedoria e da Sarça Ardente.
ZOFIEL ou YOFIEL 
Um dos príncipes que guardam a Torah ou Lei Divina.

O popular diabo - leia nesta página sobre Satanismo: Link direto para o Satanismo
Segundo diversas tradições, Lúcifer seria um Querubim que se rebelou contra Deus.

Outros teólogos e alguns grupos cristãos como as Testemunhas de Jeova, afirmam que "a única referência a Lúcifer na Bíblia aplicava-se a Nabucodonosor, rei de Babilônia. E embora a arrogância dos governantes babilônicos realmente refletia a atitude de Satanás que também anseia ter poder e deseja colocar-se acima de Deus, a Bíblia não atribui claramente o nome Lúcifer a Satanás" .

Lúcifer (em hebraico, heilel ben-shachar, הילל בן שחר; em grego na Septuaginta, heosphoros) representa a estrela da manhã (a estrela matutina), a estrela D'Alva, o planeta Vênus, mas também foi o nome dado ao anjo caído, da ordem dos Querubins (ligados a adoração de Deus).
Nos dias de hoje, numa nova interpretação da palavra, o chamam de Diabo (caluniador, acusador), ou Satã (cuja origem é o hebraico Shai'tan, que significa simplesmente adversário).Atualmente discute-se a probabilidade de Lucifer ter sido um Rei Assírio da Babilonia.

Significado Origem:
O nome Lúcifer ocorre uma vez nas Escrituras Sagradas e apenas em algumas Traduções da Bíblia em língua portuguesa. Por exemplo, a tradução de Figueiredo verte Isaías 14:12: “Como caíste do céu, ó Lúcifer, tu que ao ponto do dia parecias tão brilhante?”

Lúcifer (em hebraico, heilel ben-shahar, הילל בן שחר; em grego na Septuaginta, heosphoros) significa: "Aquele que leva a luz", representando a estrela da manhã, o planeta vênus, que é visível antes do alvorecer. A designação descritiva de Isaias 14:4, 12, provém duma raiz que significa “brilhar” (Jó 29:3), e aplicava-se a uma metáfora aplicada aos excessos de um “rei de Babilônia”, não a uma entidade em si, como afirma o pesquisador iconográfico Luther Link "Isaías não estava falando do Diabo.Usando imagens possivelmente retiradas de um antigo mito cananeu, Isaías referia-se aos excessos de um ambicioso rei babilônico".

A expressão hebraica (heilel ben-shahar) é traduzida como “o que brilha”, nas versões NM, MC, So. A tradução “Lúcifer” (portador de luz), (Fi, BMD) deriva da Vulgata latina de Jerônimo e isso explica a ocorrência desse termo em diversas versões da Bíblia.


Mas alguns argumentam que Lúcifer seja satanás e por isso, também foi o nome dado ao anjo caído, da ordem dos Querubins (ligados a adoração de Deus). Assim, muitos nos dias de hoje, numa nova interpretação da palavra, o chamam de Diabo (caluniador, acusador), ou Satã (cuja origem é o hebraico Shai'tan, Adversário).


Hebraísmo / Judaísmo:
Os judeus o chamam de heilel ben-shachar, onde heilel significa Vênus e ben-shachar significa "o luminoso, filho da manhã". Alguns judeus interpretam Lúcifer como uma referência bíblica a um rei babilônico. Mais tarde a tradição judaica elaborou a queda dos anjos sob a liderança de Samhazai, vindo daí a mesma tradição dos padres da Igreja.

A visão Teosófica:
Corroborando outras opiniões, o Glossário Teosófico de Helena Blavatsky diz que Lúcifer é a Estrela da Manhã, o planeta Vênus, e literalmente a palavra significa O Portador da Luz. Rejeita a atribuição a Lúcifer dos defeitos do orgulho e da arrogância que o catolicismo lhe imputou, nem diz que ele é a origem do mal e tampouco o identifica com o diabo e similares, que considera produtos apenas da imaginação humana sem existência autônoma real. Blavatsky faz notar, como já foi dito acima, que o próprio Cristo, no Apocalipse (cap. XXII, 16/17) chama a si mesmo de "Estrela da Manhã".

Mas o nome também esconde uma multiplicidade de significados alegóricos, dos quais talvez o mais importante é sua identificação com Manas, a Mente dual, a inteligência espiritual que habita em todos os homens, que tanto condescende voluntariamente em cair na matéria como é o agente que foge por si mesmo da animalidade e resgata-se para uma vida superior, sendo ao mesmo tempo o Tentador e o verdadeiro Redentor interno de cada um.
  
Demônio e Lucifer:
Na verdade, o demônio, Satanás e o diabo são um tipo determinado de ser ou plasma de origem humana , já Lucifer, o maravilhoso anjo iluminado não é nenhuma dessas figuras, ele é uma substância inteligivel que foi criada por Deus. Podemos dizer de forma metafórica que o demônio é o MEDO, é toda a expressão de terror, horror, pânico, e calamidade etc e etc, formados pela mente humana. Ora, pensamentos geram plasmas e durante toda a historia da humanidade, o homem a partir do momento em que recebeu a graça de ser uma substancia inteligível, a única material nas classes das substancias inteligiveis, e a mais precária delas, gerou esses plasmas, que são pensamentos de terror, horror e escabrosidades que envolvem tudo que mais tememos como por exemplo a morte.

Para entender como o demônio se formou basta assistir um assustador filme de terror, com muita violência e sangue. Esse plasma gerou uma substancia enteligivel, de forma horrenda com chifres, garras, assas medonhas etc. Esse plasma abita os infernos-mundos, e ficam também próximas de pessoas com pensamentos que são semelhantes. Por isso que alguns livros de alto ajuda e até mesmo educações religiosas dizem que a mente é a chave de tudo. O demônio também pode ser a crueldade do ser humano e a sua falta de luz. O ser humano pode ser o pior e mais cruel dos animais. Satanás é o plasma de origem humana, o adversario o inimigo e age em nossas vidas através de todas as nossas fraquesas e falta de autonomia ou independencia.

Muitos exegetas afirmam que não existe fundamentação bíblica para identificar Lúcifer como o Satã tentador. Esta confusão com Satã foi ocasionada por uma má interpretação de Isaías 14:12-15: "Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao (Seol) inferno, ao mais profundo do abismo.".

Esta interpretação é geralmente atribuida a São Jerônimo, que ao traduzir a Vulgata atribuiu Lúcifer ao anjo caído, a serpente tentadora das religiões antigas, embora antes dele esta interpretação não existisse. Oficialmente a Igreja não atribui a Lúcifer o papel de Diabo, mas apenas o estado de "caído" (Petavius, De Angelis, III, iii, 4).

Por exemplo, a enciclopédia Estudo Perspicaz das Escrituras, vol.1, pág, 379, explica que “o termo “brilhante”, ou “Lúcifer”, é encontrado na “expressão proverbial contra o rei de Babilônia” que Isaías mandou profeticamente que os israelitas proferissem. De modo que faz parte duma expressão dirigida à dinastia babilônica.

Que o termo “brilhante” é usado para descrever um homem e não uma criatura espiritual é notado adicionalmente na declaração: “No Seol serás precipitado.” Seol é a sepultura comum da humanidade — não um lugar ocupado por Satanás, o Diabo. Além disso, os que vêem Lúcifer levado a essa condição perguntam: “É este o homem que agitava a terra?” É evidente que “Lúcifer” se refere a um humano, não a uma criatura espiritual. — Isaías 14:4, 15, 16.”

Por que se dá tal ilustre descrição à dinastia babilônica? Temos de dar-nos conta de que o rei de Babilônia seria chamado de brilhante apenas depois da sua queda e de forma escarnecedora. (Isaías 14:3)

Mitologia Grega:
É Prometeu que roubou o fogo do Olimpo, e desencadeou a fúria de Zeus.

Simbolismo:
Prometeu representa a vontade humana por conhecimento, sua captura do fogo é a audácia humana pela busca de conhecimento e de compartilhá-lo.

"Lucidez: palavra feita de sombra e luz, que vem de Lúcifer, que é como os antigos chamavam o planeta Vênus e também o nome do anjo caído, rebelde, o bem-amado de Deus, o Príncipe das Trevas. Lúcifer quer dizer também luz que de tão forte é capaz de cegar. Lucidez é por tanto uma luz aterradora e Lúcifer aquele que não resistiu a tanta lucidez.

Caiu por não suportar a revelação, por não agüentar nem o brilho nem a ira de Deus, por não aceitar ser criatura, que mesmo vivendo na luz não a detém. Tal qual prometeu, Lúcifer ousou desafiar o Criador, quis para si a Sua luz. Não por soberba ou por inveja, mas por amor, por sede de verdade, por lucidez. Dizem que Lúcifer só suporta o inferno por que se lembra da voz de Deus. Só isso, apenas isso, torna seu sofrimento suportável. Mais que o paraíso foi-lhe negado o conhecimento e Lúcifer é condenado a viver na escuridão, na ausência do Bem, fitando eternamente a face resplandecente e toda a luminescência daquele que tanto amou.

Lucidez dói, perturba, desnuda verdades, revela segredos e reduz os sonhos a imprudências. É muitas vezes insuportável, faz muitas vítimas. Pressupõe escolhas terríveis e despedidas dolorosas. A lucidez é radical, traz desassossego, tira nossa inocência e ri das nossas esperanças. Nada é igual depois de exposto à luz
".
Por:  Hilda Lucas.

Arcanjo MiguelHorda de Anjos Prometeu

Nomes dos principais Anjos Caídos e suas atribuições:
A hierarquia do mal é dividida em Reinos, Principados, Domínios... seguindo o exemplo da cabala dos anjos.
Há demônios patronos e governantes de países e regiões, do mesmo modo que há santos e anjos celestes patronos e padroeiros.
Os demônios se organizam em bandos ou legião. 
Os nomes e atribuições aqui relacionados estão baseados nas tradições cristãs e mulçumanas, podendo variar de acordo com seitas e outros grupos de pesquisadores.

ASTAROTH: Ex-querubim celeste, sua função é a do controle do inferno.
ASMODEUS: Demônio hebreu, seu domínio é a ira e a luxúria.
ABRAMALECH: Demônio guardião e servo de Lúcifer.
ARIMÃ: Príncipe de uma legião de demônios, tradição persa.
BAALLBERITH: Demônio do assassinato e da blasfêmia, ex-líder dos querubins celeste, braço direito de Lúcifer.
BELIAL: Demônio da loucura e arrogância. Um dos demônios do apocalipse
BESTA DO APOCALIPSE: Demônio que terá seu reino no apocalipse, assim como Belial. Alguns acreditam que A Besta do Apocalipse e Belial irão se unir no fim dos tempos, formando assim um único ser.
BELZEBU: Príncipe dos demônios e senhor das Moscas é um dos governantes do inferno, seu domínio é o orgulho. É considerado a encarnação do mal absoluto. Era um antigo deus do Mediterrâneo oriental.
DEMÔNIOS: Anjos caídos, também chamados de: INÍQUOS,  ESPÍRITOS INÍQUOS, ANJOS DE LUZ.
DINJs:  Tipo de demônio, anjos caídos, gênios contrários, gênio. Dependendo da tradição, existem Dinjs do fogo, água, ar e terra.  Seus domínios são; desejo e ambição.
GÊNIOS CONTRÁRIOS: Tipos de demônios, anjos caídos, com domínios contrários aos dos anjos celestiais.
IBLIS: Senhor do inferno, tradição mulçumana.
LEVIATÃ: Príncipe dos demônios, seu domínio é a heresia.
LÚCIFER: O rei do inferno, ex-arcanjo de Deus, líder da rebelião dos anjos contra o domínio único de Deus.
NERGAL: Poderoso demônio sumeriano. Na tradição cristã assumiu o comando de policiamento.
PAZUZU: Rei dos Espíritos malignos, ele pode possuir o corpo de um ser humano, possessão.

Diabo, estes nomes são usados frequentemente para referi-lo:
Asmodeus
Azazel
Belzebu
Cadreel
Demo
Lúcifer
Mastema
Mefistófeles
Satã
Satanãs
Sier

Apesar de diversificado, na demonologia clássica, alguns desses nomes referem-se a entidades diferentes, os Arquidemônios. Esses são antigos arcanjos que decidiram seguir a Lúcifer.
Representam os pecados capitais:
Abramalech - Arquidemônio que representa a avareza.
Asmodeu - Arquidemônio que representa a luxúria.
Astaroth - Arquidemônio que representa a inveja.
Baalberith - Arquidemônio que representa gula.
Belial - Arquidemônio que representa a ira.
Nergal - Arquidemônio que representa a soberba.
Pazuzu - Arquidemônio que representa a preguiça.
Outros nomes:


Ahriman - Demônio mazdeano.
Apollyon - Sinônimo grego para Satan, o arquidemônio.
Baphomet - Adotado pelos templários como símbolo de Satan.
Beherit - Nome sírio para Satan.
Bile - Deus celta do inferno.
Demogorgon - Nome grego para Demônio,( diminutivo Gorgo ).
Drácula - Nome romeno para demônio.
Emma-O - Regente japonês do inferno.
Nomes populares do Diabo: 
Aquele que Desvia
Aurelinho
Azarape
Bajujo
Beiçudo
Cabrunco
Cão
Canhoto
Capa-Verde
Capeta
Capiroto
Chifrudo
Coisa-Ruim
Cramulhão
Crinado
Danado
Demo
De trás da porta
Dos Quintos
Encardido
Espírito-de-Porco
Excomungado
Ferra-Brás
Guaxumão
Indesejado
Lá de baixo
Mau
Medonho
Mefisto
O que nunca se ri
Pai da Mentira
Pastor Negro
Pé Cascudo
Pé-de-Bode
Pé-Preto
Pedro Botelho
Peneireiro
Príncipe, Rei ou Senhor das Trevas
Príncipe, Rei ou Senhor dos Infernos
Rabo-de-Seta
Ranheta
Renegado
Sarnento
Satã
Satanás
Sete-peles
Temba
Tinhoso
Traidor
Tranca-Rua
Wilson
Zarapelho

 

Fonte(s): 


Notas Bibliográficas:
 *DIONYSIUS, the Areopagite: The Celestial Hierarchy [1]
 Anjos na Bíblia [2]
 Gênesis 6:1
 Isaías 6:2
 Lucas 1:26-38
 Mateus, 4
 Lucas 22:43
 Efésios 1:21
 DIONYSIUS, op cit. VII
 Giovanni Pico della MIRANDOLA. Oration on the Dignity of Man. [3]
 Gênesis 3: 23-24
 Ezequiel:10
 Êxodo 25:10-21; 37:7-9
 DIONYSIUS, op cit., VIII
 Apocalipse:11, 16-17
 DIONYSIUS, op cit., VIII
 DIONYSIUS, op cit., VIII
 DIONYSIUS, op cit., VIII
 J. STRONG. Strong's Exhaustive Concordance of the Bible, Riverside Books and Bible House, Iowa Falls (Iowa), ISBN 0-917006-01-1.
 Tobias:12, 15
 Apocalipse: 1:5
 Uriel. In Wikipedia, the free encyclopedia. 20 de julho de 2008 [4]
 DIONYSIUS, op cit., IX
 Ludwig BLAU & Kaufmann KOHLER. Angelology. In Jewish Encyclopedia [5]
 Jó, 15, 15
 Salmos: 104, 4
 Mohammed. The Truth Seekers. [6]
 Angels in Islam, a partir de Encyclopædia Britannica, Inc. On-line 2002. [7]
 Mohammed. The Truth Seekers.
 Allan KARDEC. O Livro dos Espíritos, Parte 2, Capítulo 1
 *Charles LEADBEATER. O Festival dos Anjos. [8]
 Geoffrey HODSON. As Hostes Angélicas [9]
 Geoffrey HODSON. O Reino dos Deuses. São Paulo: Pensamento, sd.
 Geoffrey HODSON. A Fraternidade de Anjos e Homens. São Paulo: Pensamento, sd.
 Paul MIZI. Cristo: o Anjo da presença de Deus. [10]
 LEADBEATER, Op. cit
 Santa Eucaristia. Missão de São Paulo Apóstolo da Igreja Católica Liberal [11]
 Estudo Perspicaz das Escrituras, it-1 379
http://www.espiritualismo.info/angelologia.html

Postagens mais visitadas deste blog

A ALMA E AS 10 SEFIROT

Árvore da Vida, mostrando os dez Sefirot.
A Alma e as Dez Sefirot Do livro “Kabbalah and Meditation for the Nations”, do Rabino Yitschak Ginsburgh – Capítulo 3 (2parte) Nós aprendemos na Cabalá que D’us criou o mundo por meio de dez sefirot — que são dez emanações da energia Divina. Estas sefirot permeiam e se manifestam dentro de cada aspecto da criação, inclusive, é claro, a alma humana, que foi criada à imagem de D’us1. Tanto a alma física quanto a alma Divina se manifestam por meio das sefirot, e ambas possuem uma estrutura completa de dez sefirot, as quais, conforma descreve a Cabalá, se dividem em três faculdades intelectuais e sete atributos emocionais/comportamentais2. As três sefirot intelectuais são sabedoria, entendimento e conhecimento, e também são chamadas de “as três primeiras [sefirot]”, ou o mochin (literalmente, “cérebro”). As setesefirot emocionais são bondade, força, beleza, vitória, reconhecimento, fundação e reinado, e também são chamadas de “as sete [sefirot] mai…

CONHECENDO A CABALA(KABBALAH) : O CÓDIGO POR TRÁS DA REALIDADE

O que é Cabala:


Kabalah é uma palavra hebraica que significa "recepção". É conhecimento espiritual judaico, que Moshê recebeu de D’us, os alunos de Moshê receberam dele, e assim sucessivamente no decorrer dos séculos. 

A Kabalah é a interpretação espiritual de toda a Torá, a compreensão do funcionamento interior das coisas, do mundo, de D’us, da alma, da Torá, e a vasta coleção de sabedoria oral e impressa que abrange e registra esse conhecimento. 

Contrário à opinião pública, a Kabalah não é magia: não envolve rituais estranhos ou eventos sobrenaturais. Também não tem nada a ver com psicologia pop. E certamente não lhe dará poderes psíquicos. 

Hoje existem a Kabalá e a Cabalá - (uso a letra "C" para destacar a diferença do Modismo frente uma Fisolofia Supra Racional transmitida de Mestre para Aluno por milhares de gerações!). 

Kabalá é um corpo de conhecimento extremamente extenso, quem conhece se cala, não divulga e busca constantemente o aprimoramento espiritual. Ela…

CABALA MÍSTICA : A ÁRVORE DA VIDA(SEPHIROT)

Cabala Mística
Com a devida autorização, passo a transcrever algumas notas extraídas de um antigo diário encontrado na biblioteca do Colégio do Espírito Santo, escrito por um Rosa+Cruz identificado como "Irmão Poimandres".

Faço-o a pedido e sem alterar qualquer passagem. Escreveu o Irmão Poimandres:
"SOBRE A ÁRVORE DA VIDA
Véus de Existência Negativa (acima da Árvore da Vida): Ain (Não) - O vazio absoluto. Ain Soph (Ilimitado) - O eterno, no mais puro sentido: se nada há, não existem limites. Ain Soph Aur (Luz Ilimitada) - O eterno movimento: quando não há limites, as coisas acontecem simplesmente porque não há motivos para não acontecerem.

Árvore da Vida:
AS DEZ ESFERAS (Sephiroth; singular: Sephirah):
Kether - coroa Chokmah - sabedoria Binah - entendimento Chesed - misericórdia Gebura - força - vontade em ação Tipheret - beleza Netzach - vitória - imaginação criadora - emoções elevadas Hod - Esplendor - mente universal Yesod - fundamento Malkuth - reino
A árvore da vida apresenta Deus so…