Pular para o conteúdo principal

AS DIMENSÕES DA HERANÇA JUDAICA

Para saber mais sobre este livro, clique aqui


AS DIMENSÕES ESPIRITUAIS DA HERANÇA JUDAICA


Ainda pouco conhecida, a meditação judaica tem sido negada como prática existente dentro do judaísmo. Os elementos místicos encontrados na tradição são conhecidos apenas pela cabala ou por meio das narrativas ou contos dos sábios mestres chassídicos. No livro Meditação judaica – Um guia prático (Editora Ágora), o rabino Aryeh Kaplan reúne informações surpreendentes sobre as dimensões espirituais da herança judaica, resgatando toda a riqueza de práticas de meditação contida no judaísmo clássico. Falecido em 1983, Kaplan é considerado um dos maiores especialistas no assunto. Ele deixou um legado de mais de 40 livros sobre judaísmo.
Meditar leva a pessoa a um alto nível de consciência de Deus. Para Kaplan, o maior objetivo da meditação no judaísmo e em muitas tradições religiosas é o de liberar a mente de obstáculos, a fim de abri-la por inteiro para a experiência de Deus. Todas as práticas de meditação têm entre seus objetivos o desenvolvimento ou ampliação da consciência. Apesar de haver semelhanças nas técnicas, o objetivo da meditação judaica é, segundo o rabino, o de levar a pessoa a estabelecer uma conversa com Deus, na medida em que se torna sensível à percepção do divino em todas as coisas, no milagre da criação.
A meditação é a técnica mais importante utilizada por místicos no mundo inteiro e o seu aspecto mais pujante é o de alcançar uma consciência da dimensão espiritual da realidade. O livro traz algumas revelações inéditas até mesmo para aqueles mais versados na literatura religiosa judaica. “Defini a meditação como uma forma controlada do pensar. No nível mais simples, podemos optar por sentar durante meia hora e apenas refletir sobre um tema específico”, complementa o rabino. Ele revela as técnicas meditativas altamente avançadas e potencialmente perigosas para iniciantes, e também as mais simples, seguras e poderosas como, por exemplo, conversar com Deus.
Para Kaplan, a meditação tem sido parte integrante do judaísmo ao longo de toda a sua história. Segundo ele, após a destruição de Jerusalém e a dispersão dos hebreus pelo Império Romano, os mestres passaram a restringir a meditação aos mais qualificados, temendo que, dispersos, os judeus mais simples fossem levados pelo entusiasmo por práticas nem sempre compatíveis com o judaísmo. A obra mostra que o estabelecimento de uma norma de orações populares diárias incluía a ideia de que essas orações, repetidas três vezes ao dia, funcionassem como mantras destinados a elevar a consciência espiritual dos fiéis. Para o autor, a meditação continuou a existir como exercício consciente realizado por estudiosos ou como exercício implícito na prática diária da oração.

Fonte:http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/noticia/1329

Postagens mais visitadas deste blog

A ALMA E AS 10 SEFIROT

Árvore da Vida, mostrando os dez Sefirot.
A Alma e as Dez Sefirot Do livro “Kabbalah and Meditation for the Nations”, do Rabino Yitschak Ginsburgh – Capítulo 3 (2parte) Nós aprendemos na Cabalá que D’us criou o mundo por meio de dez sefirot — que são dez emanações da energia Divina. Estas sefirot permeiam e se manifestam dentro de cada aspecto da criação, inclusive, é claro, a alma humana, que foi criada à imagem de D’us1. Tanto a alma física quanto a alma Divina se manifestam por meio das sefirot, e ambas possuem uma estrutura completa de dez sefirot, as quais, conforma descreve a Cabalá, se dividem em três faculdades intelectuais e sete atributos emocionais/comportamentais2. As três sefirot intelectuais são sabedoria, entendimento e conhecimento, e também são chamadas de “as três primeiras [sefirot]”, ou o mochin (literalmente, “cérebro”). As setesefirot emocionais são bondade, força, beleza, vitória, reconhecimento, fundação e reinado, e também são chamadas de “as sete [sefirot] mai…

QUAL A SIMBOLOGIA DOS DIFERENTES TIPOS DE ESTRELAS ?

Significado da estrela de DaviQual a simbologia dos diferentes tipos de estrela?Na história das civilizações, a estrela já teve vários significados, do divino ao mais mundano. O segredo da interpretação está no total de pontas da figura
1) Pentagrama invertido Diferentemente do pentagrama, o pentagrama invertido tem uma interpretação mais sinistra, como um dos símbolos do ocultismo moderno. Com base no desenho do ocultista francês Stanislas de Guaita, o pentagrama com duas pernas para cima, inscrito em um círculo e com a cabeça de uma cabra dentro é o logotipo da Igreja de Satã. O ocultista Aleister Crowley também fez uso do pentagrama invertido, simbolizando a descida do espírito na matéria.
2) Pentagrama A estrela de cinco pontas pode ser encontrada em fragmentos de cerâmica de mais de 4 mil anos. Contudo, o símbolo foi popularizado por Pitágoras, que afirmava que o 5 era o número do homem, pois tanto a alma quanto o corpo poderiam ser divididos em cinco partes. Um dos primeiros usos do…

CONHECENDO A CABALA(KABBALAH) : O CÓDIGO POR TRÁS DA REALIDADE

O que é Cabala:


Kabalah é uma palavra hebraica que significa "recepção". É conhecimento espiritual judaico, que Moshê recebeu de D’us, os alunos de Moshê receberam dele, e assim sucessivamente no decorrer dos séculos. 

A Kabalah é a interpretação espiritual de toda a Torá, a compreensão do funcionamento interior das coisas, do mundo, de D’us, da alma, da Torá, e a vasta coleção de sabedoria oral e impressa que abrange e registra esse conhecimento. 

Contrário à opinião pública, a Kabalah não é magia: não envolve rituais estranhos ou eventos sobrenaturais. Também não tem nada a ver com psicologia pop. E certamente não lhe dará poderes psíquicos. 

Hoje existem a Kabalá e a Cabalá - (uso a letra "C" para destacar a diferença do Modismo frente uma Fisolofia Supra Racional transmitida de Mestre para Aluno por milhares de gerações!). 

Kabalá é um corpo de conhecimento extremamente extenso, quem conhece se cala, não divulga e busca constantemente o aprimoramento espiritual. Ela…